quinta-feira, 14 de julho de 2016

A FESTA DE CASAMENTO DO CORDEIRO


 


 



Há um lugar preparado para mim
Uma mesa próxima ao mar cristalino
Em que meu Amado me oferecerá descanso
E, gentilmente, se inclinará sobre meu peito
Ele seca minhas lágrimas, quebra minha correntes
Ele trata de minhas feridas, cura minha dor
Ele conforta minha alma cansada e perturbada
Enche meu cálice até que transborde
Com o mais fino vinho, e com o mais fino pão
Alimenta-me com suas mãos marcadas pelos pregos
Ele esconde minha vergonha em vestimenta santa
Veste-me com sua retidão
Ele levanta meu véu. Ele me traz para perto
Proclama-me sua convidados celestiais
Enquanto anjos cantam em referência a Ele
Há um lugar próximo ao mar cristalino
Em que meu Amado me espera
Ele ordena que eu vá exatamente como sou
A festa de casamento do Cordeiro.
 
 
 
                                                             De Judie Lawson
 
 
 
(Extraído do Livro: Sonhos de Mulher -- O Plano de Deus para Realizar seus sonhos, capítulo 2, p. 53 e 54)
 
 
 
 
 
 
 
 
 


     

CONSIDERAÇÕES SOBRE O SOFRMENTO HUMANO



 




[...]
 
Viver na terra é realmente um sofrimento. Quanto mais o homem deseja uma vida espiritual, mais amargo se torna o presente para ele, pois compreende melhor e enxerga claramente os defeitos e a corrupção da natureza humana. Beber e comer, vigília e sono, descanso e trabalho, além das outras necessidades humanas constituem certamente um grande sofrimento para o homem devoto, que alegremente se libertaria delas e ficaria livre de todo o pecado. Na verdade o homem interior é muito sobrecarregado nesse mundo pelas necessidades do corpo, e por esse motivo o profeta rezou para que se libertasse delas o mais rápido possível, quando disse: ''livra-me das minhas aflições.''9
 
Mas, ai daquele que não conhece seu próprio sofrimento e ai daqueles que amam esta vida miserável e corruptível,.Alguns, na verdade, mal conseguem obter suas necessidades, seja por meio do trabalho ou por mendicância; ainda assim, gastam tanto que, se pudessem viver sempre aqui, não se importariam nem um pouco com o reino do Senhor.
 
Quão tolos e sem fé no coração são aqueles que permanecem envolvidos com as coisas terrenas, que não apreciam nada que não seja carnal! Homens miseráveis, sem dúvida, pois, ao final, para o seu desgosto, verão quão baratas e sem valor eram as coisas que amavam.
 
Os santos de Deus e os amigos devotos de Cristo não valorizam o que agrada ao corpo, nem às coisas populares de tempos em tempos. Toda a sua esperança e objetivo são centrados em bens eternos. Todo o seu desejo aponta para o reino eterno e invisível, com receio de que o amor pelo que é visível os arraste para coisas mais baixas.
 
Então não percamos de vista o coração, meu irmãos, ao perseguir a vida espiritual. Ainda há tempo, e a hora ainda não passou. Por que demorar nesse propósito? Ergamo-nos! Comecemos imediatamente  e digamo-nos: ''Agora é o momento de agir, agora é o momento de lutar, agora é o momento certo de corrigir''.
 
 
9.Salmos 24:17.
 
 
(Extraído do Livro: Imitação de Cristo, Tomás de Kempis, Capítulo 22 - Considerações sobre o sofrimento humano, p.51 e 52)