sábado, 26 de novembro de 2016

ADORAÇÃO E INTERCESSÃO


 
 
 





ADORAÇÃO E INTERCESSÃO DEVEM caminhar juntas; uma é impossível sem a outra. Interceder significa despertar para alcançar a mente de Cristo no interesse daquele por quem oramos. Demasiadas vezes, em vez de adorar a Deus, construímos discursos sobre como a oração funciona. Estamos adorando ou estamos disputando com Deus? -- ''Não vejo como o Senhor pode fazer isso!'' Este é um claro sinal de que não estamos adorando. Quando perdemos a visão de Deus rígidos e dogmáticos. Atiramos nossos próprios pedidos no trono de Deus e dizemos como ele deve proceder. Não adoramos a Deus, nem procuramos formar a mente de Cristo. Se formos rudes em relação a Deus, nós nos tornaremos rudes em relação a outras pessoas. MUH


QUESTÕES PARA REFLEXÃO
 
O que minhas atitudes em relação a outras pessoas dizem sobre minha relação com Deus?






MUH  My Utmost for His Highest (Tudo para ele) 1



(Extraído do Livro: Oração Um Encontro Com Deus de Oswald Chambers;  Harry VERPLOEGH (ED.), p. 182)






 

UM ENCONTRO COM DEUS EXIGE TRABALHO


 
 



CADA VEZ MAIS, AS pessoas têm se voltado para a oração, não quando estão em fraqueza extrema, mas no limite estremo. Sempre que uma pessoa se volta para Deus. Elifaz suplicou para saber exatamente onde Jó estava, e Bildade suplicou a mesma coisa. Jó foi ferido e esses homens tentaram curá-lo com banalidades. O lugar do consolador não é o de quem prega, mas o do companheiro que nada diz e ora a Deus sobre o problema. A melhor coisa que se pode fazer por quem está sofrendo não é dizer banalidades, não é fazer perguntas, mas sim, entrar em contato com Deus; e ''a obra maior'' será feita por meio da oração. BFB
 
 
QUESTÕES PARA REFLEXÃO
 
Que pessoa precisa de conforto e da segurança da minha presença em vez do tédio de minhas banalidades religiosas?
 
 
 
 
 
(BFB - Baffled to Fight Better (título atual: Our Ultimate Refuge) (Impedido de lutar melhor [título atual: Nosso último refúgio])
 
 
(Extraído do Livro: Oração Um Encontro Com Deus de Oswald Chambers;  Harry VERPLOEGH (ED.), p. 174)